quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Alimento funcional perfeito.



Castanha do para adquire status internacional como alimento funcional perfeito.
Imagine um produto que reúna os aminoácidos essenciais para o crescimento, micro nutrientes que previnem o câncer, a catarata, o envelhecimento e ativam as atividades cerebrais. Este produto existe, é um alimento vegetal, brasileiro, pode ser consumido em forma de bolacha, biscoito, salgadinho tira-gosto ou cereal matinal com formas, cores e sabores diversificados. É a castanha-do-brasil (Berthollitia excelsa), também conhecida como castanha-da-amazônia ou castanha-do-pará. Este arsenal de saúde, por enquanto, está rotineiramente ao alcance dos moradores da Amazônia, a região produtora da castanha, e dos países importadores.
Em outras regiões do Brasil, a castanha ainda é só um produto da cesta natalina. Mas a sua popularização parece ser uma questão de tempo. Uma pesquisa da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), além de ajudar a divulgar as propriedades nutricionais da castanha-do-brasil, chegou à fórmula capaz de transformá-la em produto de larga aceitação pelos consumidores e forte apelo comercial. Um cereal matinal é o fruto de uma pesquisa de três anos que valeu a Maria Luzenira de Souza, da Universidade Federal do Acre, o título de Doutora em Tecnologia de Alimentos.

 O processo de beneficiamento começa com a redução, por prensagem, da quantidade do teor de óleo da castanha, de 68% para 25%. O óleo, de altíssima qualidade, é comestível e está sendo usado também como matéria-prima de produtos farmacêuticos e cosméticos como sabonetes. À torta - o resíduo da prensagem - se acrescenta a farinha de mandioca, na proporção média de 70% de castanha e o restante de farinha. A farinha de mandioca ajuda a diluir o teor de óleo que ainda fica na castanha e a aumentar o teor de fibras. “Conseguimos o que pretendíamos: um produto menos calórico do que a amêndoa e de alto valor proteico”, explica a pesquisadora. Para ela, a castanha-do-brasil pode, tranquilamente, substituir a soja como fonte de proteínas, alternativa à carne, ou ser consumida associada à soja. “A castanha-do-brasil é a carne vegetal. Duas castanhas correspondem à proteína de um ovo, considerado a proteína completa, com a vantagem de, como alimento vegetal, não conter colesterol”, garante Luzenira.

 Para a doutora em Tecnologia de Alimentos da Unicamp, Hilary Castle Menezes, orientadora da tese, “a castanha não é remédio, mas um alimento funcional importante na prevenção de doenças, de crianças até os mais idosos”. A proteína da castanha tem aminoácidos essenciais para o crescimento, daí a importância dessa oleaginosa na alimentação infantil. A castanha é rica em selênio, elemento protetor, cuja falta está diretamente relacionada a doenças como aterosclerose, artrite, cirrose, enfisema e câncer. Pesquisadores da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, descobriram, ainda, que o selênio interage com a química do organismo para oferecer proteção contra as células cancerígenas, especialmente na mama.

Sistema de defesa é o segredo de tudo!


A AIDS, também definida como SIDA, é a síndrome da imunodeficiência adquirida. Seus portadores apresentam inúmeros sintomas e infecções, o que resulta no dano ao sistema imunológico.
Seu contágio se dá através da contaminação pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). Este vírus ataca principalmente os linfócitos que comandam a defesa de nosso organismo.
Como conseqüência do ataque pelo vírus HIV, o número de linfócitos é diminuído drasticamente e o organismo humano fica completamente desprotegido contra uma série de doenças oportunistas e infecções.
Para entendermos um pouco mais sobre esta doença, é interessante sabermos que o HIV é um retrovírus (vírus com genoma de RNA) que age infectando nossas células e, uma vez dentro delas, multiplica-se rapidamente.
Este vírus provoca a morte dos linfócitos (células de defesa) devido a grande quantidade de novos vírus que produz em seu interior. Quando infectadas, as células de defesa são atacadas pelo sistema imunológico, pois, por apresentarem proteínas do vírus em sua membrana, nosso organismo não é mais capaz de  reconhecê-las.
Há ainda linfócitos infectados pelo HIV que não apresentam replicação de vírus, contudo, mesmo nestes casos, a célula perde suas funções devido a presença deste invasor em seu núcleo.
O vírus da AIDS geralmente é transmitido através de secreções genitais ou pelo sangue. Seu contágio ocorre via sexual, intravenosa ou de mãe para filho.
Apesar de ainda não existir cura para esta doença, há tratamentos muito eficazes que diminuem a proliferação do vírus.



Previna-se.





Fórmula da coca-cola; um veneno lento.

 Aula sobre refrigerantes; Na verdade, a fórmula ‘secreta’ da Coca-Cola se desvenda em 18 segundos em qualquer espectrômetro-ótico, e basicamente até os cachorros a conhecem. Só que não dá para fabricar igual, a não ser que você tenha uns 10 bilhões de dólares para brigar com a Coca-Cola na justiça, porque eles vão cair matando. A fórmula da Pepsi tem uma diferença básica da Coca-Cola e é proposital exatamente para evitar processo judicial. Não é diferente porque não conseguiram fazer igual não, é de propósito, mas próximo o suficiente para atrair o consumidor da Coca-Cola que quer um gostinho diferente com menos sal e açúcar. Entre outras coisas, fui eu quem teve de aprender tudo sobre refrigerante gaseificado. Para produzir o guaraná Golly por exemplo, aqui (nos EUA), usa o concentrado Brahma. Está no mercado até hoje, mas falhou terrivelmente em estratégia promocional e vende só para o mercado local, tudo isso devido à cabeça dura de alguns diretores. Tive que aprender química, entender tudo sobre componentes de refrigerantes, conservantes, sais, ácidos, cafeína, enlatamento, produção de label de lata, permissões, aprovações e muito etc. e tal. Montei um mini-laboratório de análise de produto, equipamento até para analisar quantidade de sólidos, etc. Até desenvolvi programas para PC para cálculo da fórmula com base nos volumes e tipo de envasamento (plástico ou alumínio), pois isso muda os valores e o sabor. Tivemos até equipe de competição em stock-car. Ora, a imensa quantidade de sal que a Coca-Cola usa (50mg de sódio na lata), você logo vê que a Coca-Cola fica igualzinha a qualquer outro refrigerante sem-vergonha, porcaria, adocicado e enjoado. É exatamente o Cloreto de Sódio em exagero (que eles dizem ser ‘very low sodium’) que refresca e ao mesmo tempo dá sede em dobro, pedindo outro refrigerante, e não enjoa porque o tal sal mata literalmente a sensibilidade ao doce, que também tem de montão: 39 gramas de ‘açúcar’ (sacarose). É ridículo, dos 350 gramas de produto líquido, mais de 10% é açúcar. Imagine numa lata de Coca-Cola, mais de 1 centímetro e meio da lata é açúcar puro… Isso dá aproximadamente umas 3 colheres de sopa CHEIAS DE AÇÚCAR POR LATA!… – Fórmula da Coca-Cola ?… Simples: Concentrado de Açúcar queimado – Caramelo – para dar cor escura e gosto; ácido ortofosfórico (azedinho); sacarose – açúcar (HFCS – High Fructose Corn Syrup – açúcar líquido da frutose do milho); extrato da folha da planta COCA (África e Índia) e poucos outros aromatizantes naturais de outras plantas, cafeína, e conservante que pode ser Benzoato de Sódio ou Benzoato de Potássio, Dióxido de carbono de montão para fritar a língua quando você a toma e junto com o sal dar a sensação de refrigeração. O uso de ácido ortofosfórico e não o ácido cítrico como todos os outros usam, é para dar a sensação de dentes e boca limpa ao beber, o fosfórico literalmente frita tudo e em quantidade pode até causar decapamento do esmalte dos dentes, coisa que o cítrico ataca com muito menor violência, pois o artofosfórico ‘chupa’ todo o cálcio do organismo, podendo causar até osteoporose, sem contar o comprometimento na formação dos ossos e dentes das crianças em idade de formação óssea, dos 2 aos 14 anos. Tente comprar ácido fosfórico para ver as mil recomendações de segurança e manuseio (queima o cristalino do olho, queima a pele, etc.). Só como informação geral, é proibido usar ácido fosfórico em qualquer outro refrigerante, só a Coca-Cola tem permissão… (claro, se tirar, a Coca-Cola ficará com gosto de sabão). O extrato da coca e outras folhas quase não mudam nada no sabor, é mais efeito cosmético e mercadológico, assim como o guaraná, você não sente o gosto dele, nem cheiro, (o verdadeiro guaraná tem gosto amargo) ele está lá até porque, legalmente tem que estar, (questão de registro comercial), mas se tirar você nem nota diferença no gosto. O gosto é dado basicamente pelas quantidades diferentes de açúcar, açúcar queimado, sais, ácidos e conservantes. Tem uma empresa química aqui em Bartow, sul de Orlando. Já visitei os caras inúmeras vezes e eles basicamente produzem aromatizantes e essências para sucos. Sais concentrados e essências o dia inteiro, caminhão atrás de caminhão! Eles produzem isso para fábricas de sorvete, refrigerantes, sucos, enlatados, até comida colorida e aromatizada. Visitando a fábrica, pedi para ver o depósito de concentrados das frutas, que deveria ser imenso, cheio de reservatórios imensos de laranja, abacaxi, morango, e tantos outros (comentei). O sujeito olhou para mim, deu uma risadinha e me levou para visitar os depósitos imensos de corantes e mais de 50 tipos de componentes químicos. O refrigerante de laranja, o que menos tem é laranja; morango, até os gominhos que ficam em suspensão são feitos de goma (uma liga química que envolve um semipolímero). Abacaxi é um festival de ácidos e mais goma. Essência para sorvete de Abacate? Usam até peróxido de hidrogênio (água oxigenada) para dar aquela sensação de arrasto espumoso no céu da boca ao comer, típico do abacate. O segundo refrigerante mais vendido aqui nos Estados Unidos é o Dr. Pepper, o mais antigo de todos, mais antigo que a própria Coca-Cola. Esse refrigerante era vendido obviamente sem refrigeração e sem gaseificação em mil oitocentos e pedrada, em garrafinhas com rolha como medicamento, nas carroças ambulantes que você vê em filmes do velho oeste americano. Além de tirar dor de barriga e unha encravada, também tirava mancha de ferrugem de cortina, além de ajudar a renovar a graxa dos eixos das carroças. Para quem não sabe, Dr. Pepper tem um sabor horrível, e é muito fácil de experimentar em casa: pegue GELOL spray, aquele que você usa quando leva um chute na canela, e dê um bom spray na boca! Esse é o gosto do tal famoso Dr.Pepper que vende muito por aqui. – Refrigerante DIET... Quer saber a quantidade de lixo que tem em refrigerante diet ? Não uso nem para desentupir a pia, porque tenho pena da tubulação de pvc… Olha, só para abrir os olhos dos cegos: os produtos adocicantes diet têm vida muito curta. O aspartame, por exemplo, após 3 semanas de molhado passa a ter gosto de pano velho sujo. Para evitar isso, soma-se uma infinidade de outros químicos, um para esticar a vida do aspartame, outro para dar buffer (arredondar) o gosto do segundo químico, outro para neutralizar a cor dos dois químicos juntos que deixam o líquido turvo, outro para manter o terceiro químico em suspensão, senão o fundo do refrigerante fica escuro, outro para evitar cristalização do aspartame, outro para realçar, dar ‘edge’ no ácido cítrico ou fosfórico que acaba sofrendo pela influência dos 4 produtos químicos iniciais, e assim vai… A lista é enorme. Depois de toda essa minha experiência com produção e estudo de refrigerantes, posso afirmar: Sabe qual é o melhor refrigerante? Água filtrada, de preferência duplamente filtrada, laranja ou limão espremido e gelo… Mais nada !!! Nem açúcar, nem sal. Prof. Dr. Carlos Alexandre Fett, Faculdade de Educação Física da UFMT, Mestrado da Nutrição da UFMT, Laboratório de Aptidão Física e Metabolismo – 3615 8836 Consultoria em Performance Humana e Estética.

 **O QUE ACONTECE QUANDO VOCÊ ACABA DE BEBER UMA LATA DE REFRIGERANTE**

Primeiros 10 minutos:10 colheres de chá de açúcar batem no seu corpo, 100% do recomendado diariamente. Você não vomita imediatamente pelo doce extremo, porque o ácido fosfórico corta o gosto. 20 minutos:O nível de açúcar em seu sangue estoura, forçando um jorro de insulina. O fígado responde transformando todo o açúcar que recebe em gordura (É muito para este momento em particular). 40 minutos: 
empurra cálcio, magnésio e zinco para o intestino grosso, aumentando o metabolismo. As altas doses de açúcar e outros adoçantes aumentam a excreção de cálcio na urina, ou seja, está urinando seus ossos, uma das causas das OSTEOPOROSE. 60 minutos: As propriedades diuréticas da cafeína entram em ação a tudo que estava no refrigerante, mas não sem antes ter posto para fora, junto, coisas das quais farão falta ao seu organismo. *Pense nisso antes de beber refrigerantes. Se não puder evitá-los, modere sua ingestão! Prefira sucos naturais. Seu corpo agradece! *Se achar interessante, repasse. Certamente estará fazendo bem a alguém.
Retirei  da Internet e repasso a todos.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013


Pesquisa investiga poder da copaíba


Circulação - É a primeira vez no mundo que se verifica efeitos sobre o sistema vascular
O óleo de copaíba ganha mais uma função no tratamento de doenças. Agora, uma pesquisa inédita revela que a copaíba, nativa da região amazônica, pode ajudar também no tratamento de acidente vascular cerebral (AVC), conhecido popularmente como derrame. A copaíba tem seu óleo consagrado na medicina popular no tratamento de gripes, tosses, bronquites, inflamação da garganta e artrite. Diversos componentes também apresentam atividade farmacológica cientificamente comprovada, como o beta-cariofileno, que atua como anti-inflamatório e protetor da mucosa gástrica, solucionando problemas de azia, úlcera e gastrite. Desta vez, uma pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapespa), do Governo do Estado, aponta que a planta pode ajudar a tratar o AVC.
E não apenas isso, a resina da copaíba é duas vezes mais potente que a minociclina, um dos anti-inflamatórios mais usados no tratamento da doença. O processo com a copaíba, executado em nível de mestrado em neurociência e biologia celular, pelo biólogo da Universidade Federal do Pará (UFPA) Adriano Guimarães, por enquanto é testado apenas em ratos e ainda carece de testes toxicológicos para averiguar se as substâncias não afetam também a formação de novos neurônios. Porém, um dos principais resultados já pôde ser comprovado: a potência do óleo de resina da copaíba também em tratamentos cerebrais. Para esta conclusão, o cientista injetou no cérebro do rato pequenas doses de um produto químico que causa vasoconstrição, um processo de contração dos vasos sanguíneos, que na prática simula um coágulo que ocorre no processo normal de isquemia, comum em quem sofre um AVC. Para evitar a proliferação dos neutrófilos e macrófilos - células de defesa do corpo que eliminam as células doentes antes que estas se recuperem - foram injetadas altas doses de óleo de resina da copaíba no abdômen do rato.
O trabalho no Laboratório de Neuroproteção e Regeneração da UFPA levou dois anos e um investimento de mais de R$ 30 mil pelo Governo do Estado. Os resultados foram surpreendentes: nas primeiras 24 horas de monitoramento do rato, houve uma inibição de 33% dos neutrófilos, que agem mais rapidamente. Em 72 horas, houve a redução de 64% da lesão dos macrófilos. "Isto é mais do que o dobro da inibição observada na droga experimental mais utilizada atualmente, que é a minociclina. Como a copaíba tem propriedades anti-inflamatórias, já esperávamos uma redução das lesões, mas não neste nível. É muito mais potente", afirma o autor da tese "Efeitos neuroprotetores e neurogênicos de extratos de plantas da Amazônia brasileira em um modelo experimental de acidente vascular encefálico", financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Pará (Fapespa).
Outra vantagem da copaíba em relação a anti-inflamatórios existentes no mercado é que, ao invés de ter a eficácia prevalecendo apenas em homens, a copaíba é uma planta que apresenta resultados positivos também em mulheres.
LACUNAS
Adriano Guimarães explicou que a manipulação da resposta imune do sistema nervoso central é muito mais complexa do que em outras partes do corpo. Por isso, apesar deste tema ser muito estudado pela ciência, ainda existem muitas lacunas a serem respondidas. "Seria uma alternativa a mais para o tratamento. Com a copaíba, conseguimos inibir a chegada de parte das células ao sistema nervoso central por mecanismos que ainda não conseguimos desvendar. Mas já temos um projeto pronto para mapear as possíveis vias farmacológicas pelas quais o óleo da copaíba atua no organismo. Foi o primeiro passo, talvez um dos mais importantes, porque é a primeira vez no mundo que se está investigando os efeitos da copaíba no sistema nervoso", afirma.
O pesquisador acredita que em mais alguns anos a ciência possa chegar a este resultado. Nesta nova fase, explica o cientista, também se fará a separação dos componentes da planta (para descobrir os principais responsáveis por este resultado); se avaliarão os efeitos colaterais; e a diminuição da dosagem da copaíba. Inicialmente, foram aplicadas 400 mg/kg. Agora, a ideia é diminuir esta dosagem para descobrir qual o percentual ideal de aplicação, sem que haja perdas da eficácia.
O pesquisador alerta que nem toda árvore produz o óleo eficaz no tratamento de inflamações. Por existirem várias espécies de copaíba, os elementos químicos da resina extraída podem variar conforme a região e o solo no qual a árvore é plantada. "Muitos dos óleos de copaíba que encontramos no mercado também já passaram por outras mistura, por isso, não adianta comprar e achar que vai melhorar. É preciso entender como ela atua no cérebro e chegar à fórmula precisa", afirmou.
Em longo prazo, o que se espera do trabalho é que os pacientes de AVC possam ter uma alternativa de tratamento, feita a partir de produtos da Amazônia, em um período mais curto e com menos danos colaterais. "A copaíba é uma gota no oceano quando se fala da riqueza da biodiversidade amazônica e do quanto ainda temos a descobrir.
Casos de Acidente Vascular Cerebral matam 30% da população brasileira
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima-se que mais de 5 milhões de pessoas morram a cada ano por causa de acidentes cardiovasculares. E o acidente vascular cerebral (AVC) é responsável por 30% dos óbitos registrados no Brasil. O estudo mostra que ainda que os pacientes que sobreviveram a um AVC têm grandes chances de conviver com sequelas. Cerca de 30% necessitam de auxílio para caminhar e 20% ficam com problemas de cognição, aprendizado, atenção, julgamento e memória.
A doença é causada pelo entupimento de uma artéria cerebral por um coágulo, que impede que o sangue chegue adequadamente a regiões importantes do cérebro, causando lesão celular e danos nas funções neurológicas.
Dentre os sintomas, pode-se constatar a diminuição ou perda súbita da força na face, braço ou perna de um mesmo lado do corpo; alteração súbita da sensibilidade com sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo; perda súbita de visão em um olho, eventualmente nos dois olhos; alteração aguda da fala, incluindo dificuldade para articular e expressar ou para compreender a linguagem; dor de cabeça súbita e intensa sem causa aparente; e a instabilidade, vertigem súbita intensa e desequilíbrio associado a náuseas ou vômitos.
Sinais que já deixaram, por duas vezes, a família do bancário aposentado Ewerton Castro, 72 anos, sobressaltada. O primeiro derrame, como também é conhecida a doença, ocorreu durante o expediente de trabalho. "Fiquei muito assustado, comecei a sentir uma fraqueza nos braços e de repente não vi mais nada. Pensei que fosse morrer", afirmou Castro, que conseguiu sobreviver ao problema sem apresentar maiores danos.
Porém o mesmo feito não se repetiu na reincidência, ocorrida no final do ano passado. Apesar de manter intacta a lucidez e a fala, hoje Ewerton já não consegue andar. "Sei que talvez não esteja vivo até que a ciência descubra um jeito de reverter isso, mas fico feliz de saber que talvez outras pessoas possam ter esta chance", disse o aposentado.
Óleo já é muito valorizado no mundo todo pelas propriedades medicinais
As copaibeiras são árvores nativas da região tropical da América Latina e da África Ocidental. No Brasil é encontrada principalmente na região Amazônica e no Centro-Oeste. O óleo de copaíba é basicamente uma resina coletada do tronco da copaibeira. Através de incisões, se extrai a resina, e a partir dela se produz o óleo, um líquido transparente, viscoso e fluido, de sabor amargo, com cor entre amarelo até marrom claro dourado. O uso mais comum é o medicinal, empregado como anti-inflamatório e até mesmo anticancerígeno.
Pelas propriedades químicas e medicinais, o óleo de copaíba é bastante procurado nos mercados regional, nacional e internacional, já despertando o interesse, inclusive, da indústria cosmética.Porém, a história remete que antes mesmo de o Brasil ser colonizado, este potencial era utilizado pelos animais e índios. Os índios começaram a usar o poder cicatrizante da copaíba ao perceber que os animais esfregavam seus corpos no tronco da árvore quando estavam feridos.
Depois disso, os índios da Amazônia utilizavam o óleo para untar o corpo depois dos combates para curar as feridas. Os colonos descobriram outras aplicações, utilizando-o como antisséptico das vias urinárias e respiratórias, particularmente bronquites. E, anos mais tarde, a planta também passou a ser alvo de estudos da ciência.

Em qual logica acreditar e como me tratar?




Fungo provoca sinusite crônica, diz estudo
Pesquisadores norte-americanos descobriram a principal causa da sinusite crônica. O responsável por essa doença, que causa congestão nasal e dor de cabeça, são os fungos, segundo estudo da Clínica Mayo, nos EUA.
"Acreditava-se que a alergia ao fungo fosse responsável por apenas 10% dos casos", afirmou David Sherris à Folha, por e-mail. No entanto, o seu estudo provou o contrário.
Ele avaliou 210 pacientes que sofriam de sinusite crônica, doença provocada pela inflamação das membranas do nariz e da cavidade nasal.
Usando como material para pesquisa a mucosa do nariz, ele descobriu que 96% dos casos eram provocados por fungos, de 40 variedades diferentes.Os fungos entram pelo corpo por meio do sistema respiratório. "Nós os respiramos todos os dias", disse Sherris. "No entanto, eles são mais encontrados em regiões de clima quente e úmido."
Os pesquisadores também descobriram que a sinusite crônica é resultado de um processo do sistema imunológico (de defesa) e não de uma alergia.
Para responder a um processo alérgico, o corpo usa o anticorpo IgE, explicou Sherris."Observamos que em 101 pacientes a reação não era composta pelo IgE. Nesses pacientes, concluímos que o corpo usou uma célula específica, chamada eosinófilo, para matar os fungos no nariz", afirmou. Essa célula mata o fungo, mas também danifica a membrana do nariz, provocando a sinusite crônica.
Outros estudos estão sendo realizados para confirmar essa suspeita. Caso seja comprovado, ela poderá ajudar a criar remédios mais específicos contra a doença.
"Novas terapias para tratar sinusite crônica estão sendo desenvolvidas com base nessa descoberta, e deverão estar disponíveis daqui a quatro ou cinco anos", afirmou Sherris.
Diferentemente da versão crônica da doença, a sinusite aguda é geralmente causada por bactérias e seu tratamento é feito com antibióticos.

No Brasil, as causas são diferentes
O fungo não é a principal causa da sinusite crônica no Brasil, segundo Ricardo Ferreira Bento, professor de otorrinolaringologia da USP. As principais causas seriam a poeira e a poluição.
"Essas causas são comuns em cidades cosmopolitas", afirmou Bento.

As causas variam muito de lugar para lugar. Por isso, nem sempre um estudo nos EUA reflete a realidade brasileira. "Há diferença até mesmo entre os Estados."
Ele afirma também que a sinusite é uma reação alérgica, e não imunológica (de defesa), como sugere a pesquisa. "É difícil extrapolar resultados como esse", disse.

.Conclusão a que chegamos.Em quem acreditar, ou como fazer um tratamento, sem a certeza da causa da moléstia. Ainda bem que temos produtos naturais para curar isto senão estaríamos perdidos.


quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

O que descobri sobre a colite.


Um dia viajando, vendendo madeira, fui dormir em Itaúna – MG, e conheci um viajante vendedor de café de Nepomuceno, começamos a conversar sobre assuntos diversos e surgiu o assunto óleo-de-copaíba que deu vazão a lamentos em relação a doença de sua esposa, que se resumia em dores, cólicas abdominais e desinterias, e que já havia ido em vários médicos e não tinha achado solução, disse que estava desanimado e sem saber o que fazer. A conclusão da conversa foi que eu passei dois frascos de copaíba e meu telefone, e depois de 3 meses ele me procurou novamente e levou mais 3 frascos, e desapareceu. Muito tempo depois encontrei o dito, perguntei da mulher e ele me respondeu com satisfação que nunca mais havia ocorrido crises.
     Existem tipos variados de colite que são inflamações no intestino. Geralmente todo processo inflamatório crônico é feito o tratamento a base de corticóides, que são elementos muito prejudiciais a saúde, que é usado em casos extremos durante alguns dias, apenas. Mais o que vemos nos casos de inflamações crônicas (colites, artrites, artroses e reumatismos diversos) são os tratamentos médicos continuados através de corticóides, que vai fazer o doente vir a ter no futuro mais duas ou três doenças provenientes do uso continuado desses medicamentos. Estes tratamentos podem ser substituídos pelos antiinflamatórios naturais como o copaíba(reticulata dunke) e andiroba(carapa guianensis). A única diferença entre estes dois processos é que os corticóides vão arrebentar o organismo para controlar a doença, enquanto os antiinflamatórios naturais vão curar a doença sem contra indicação nenhuma, isto é, não faz mal à saúde.
     As vezes o melhor caminho é simples, agente é quem complica...

O que descobri sobre a sinusite.

Eu tinha 4 problemas de saúde que me incomodavam muito, a sinusite era uma delas, vou contar esta história.
Uma inflamação nos poros dos ossos da face pode virar um grande problema se a inflamação for aumentando. Se você toma produtos gelados, toma banho quente, molha a cabeça e toma um vendo em seguida, aí batata, o nariz já começa a fechar e você fica sem ar, é horrível a sensação, a gente só respira pela boca. Muitas vezes tomado pela crise acordava de madrugada e corria ao pronto-socorro com falta de ar para fazer inalação, por fim, devido ao processo inflamatório muito forte comecei a sentir um mau cheiro, isso devido a elementos purulentos que se formam. Aí, neste estado não tem jeito, pensei, tenho que ir a um médico, pois só ele pode me ajudar. Fiz a consulta, e recebi a receita, antibióticos para 10 dias que o meu estômago com 5 dias já não aguentavam mais, e Sinutab. A Anvisa proibiu este remédio durante algum tempo, mais teve que liberar novamente pois não havia outro para por em seu lugar.
O antibiótico me fez muito mal, mais fiquei satisfeito pois melhorei, comecei a respirar direito. Passado cerca de 20 dias, depois de um calor muito grande, choveu, e a temperatura caiu, e voltou denovo o mesmo problema. Como tinha feito a consulta a uns 20 dias aproveitei o retorno e voltei ao médico e perguntei  ao doutor como eu fazia, porque já estava desesperado, comentei com ele sobre o antibiótico que tinha me arrebentado, e então ele me receitou a ficar apenas no Sinutab mais inalação com ‘’buchinha paulista’’ , me explicando como era e como faria a inalação, e eu sai satisfeito pensando agora ter achado a solução para meu problema. Tomei  o remédio e fiz a inalação por vários dias, e nada, e pensei comigo, “estou perdido”. No médico não adianta voltar, pois ele não vai resolver o meu problema.Que fique bem claro que o problema de não curar a doença não é do médico, são dos medicamentos disponíveis para ele trabalhar, se os medicamentos disponíveis não funcionam, como podemos culpar o médico? Sem chance!
Bom, pra mim neste ponto eu vi que só tinha um jeito, era conformar com aquilo, e quando viessem as crises eu correria para fazer inalação, e assim se seguiu por muitos anos.
Quando em uma viagem ao Pará em 2002 eu descobri o óleo-de-copaíba (Reticulata Dunke), dentro de uma semana já não sentia sintomas nenhum da sinusite, o que fazer agora com esta descoberta, eu pensei?! Se pra mim isto foi um milagre, porque não ajudar as pessoas a se livrar deste problema tão incômodo? A cura foi tão rápida porque o óleo puro é um antibiótico natural poderosíssimo, e o mais importante, sem contra indicações, não faz mal a saúde. Temos na natureza a cura de todas as moléstias sem sofrimento, queira Deus, possamos trazer alguma alegria para as pessoas que sofrem.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Câncer e o sistema de defesa do corpo.


O sistema imune do corpo ataca e elimina não somente bactérias e outras substâncias estranhas, mas também células cancerosas. Uma célula cancerosa não é uma célula estranha; ao contrário, é uma célula cuja função biológica sofreu uma alteração de tal modo que ela não responde aos mecanismos normais de controle e de reprodução celular do organismo. As células anormais podem continuar crescendo, acarretando um câncer.
Muito da proteção do organismo contra o câncer é realizado diretamente pelas células do sistema imune e não pelos anticorpos que circulam no sangue. Por exemplo, a presença de antígenos tumorais sobre as células cancerosas pode ativar determinados leucócitos (linfócitos e, em menor grau, monócitos), que realizam uma vigilância imunológica, buscando as células cancerosas e destruindo-as.
O papel fundamental do sistema imune no controle do desenvolvimento das células cancerosas é exemplificado por uma estatística espantosa: o câncer apresenta uma probabilidade 100 vezes maior de ocorrer em indivíduos que fazem uso de medicamentos que inibem o sistema imune (p.ex., causa de um transplante de órgão ou de uma doença reumática) que em pessoas com sistema imune normal. Além disso, algumas vezes um órgão transplantado apresenta um câncer que não foi diagnosticado antes do transplante. Ele podia estar crescendo lentamente ou não ter crescido em absoluto no órgão do doador. No entanto, o câncer começa a crescer e a disseminar rapidamente receptor, cujo sistema imune é inibido por medicamentos que protegem o transplante. Tipicamente, quando as drogas imunossupressoras são interrompidas, o órgão transplantado é rejeitado câncer transplantado também é destruído.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Estamos num mato sem cachorro.


O que são imunossupressores?



Como sempre ouvimos falar, nosso sistema imunológico é nossa maior defesa. Para que o organismo permaneça em seu estado ideal e saudável é necessário que o sistema imunológico conviva de maneira equilibrada com os riscos aos quais estamos sujeitos no nosso dia a dia.
Quando falamos em medicamentos imunossupressores estamos nos referindo a medicamentos que atuam no sistema imunológico baixando a imunidade, ou seja, são medicamentos utilizados para inibir os sintomas de uma doença, ou o seu surgimento.

Nos casos das doenças inflamatórias crônicas como, por exemplo, a doença de Crohn ou retocolite onde o organismo, repentinamente, deixa de reconhecer o intestino como parte dele – e não sendo mais parte do organismo, passa a ser visto como inimigo – os medicamentos mais utilizados até poucos anos atrás eram os corticóides, basicamente a cortisona, um antiinflamatório potente e eficaz. Porém, seus efeitos colaterais bastante desagradáveis, como inchaço, depressão, fome, perda de massa muscular, dependência, entre outros, levaram ao uso de imunossupressores no seu tratamento.

Embora o nome ainda assuste, os imunossupressores são amplamente utilizados no tratamento das doenças auto-imunes, principalmente quando o paciente não responde aos medicamentos convencionais. Seu efeito parece diminuir a força do sistema imunológico, este passa a agredir o organismo de forma mais leve, e os sintomas da doença diminuem. Porém, não se sabe se é apenas isto que ocorre.
Além disso, os imunossupressores são medicamentos utilizados para evitar a rejeição de um órgão transplantado.

O sistema imunológico é capaz de reconhecer, defender e proteger o organismo contra infecções, rejeitando tudo o que é estranho. O órgão transplantado é visto pelo sistema imune como algo estranho, não pertencente ao organismo, por isso é indispensável e de extrema importância o uso dos imunossupressores, que irá ajudar a “enfraquecer” o sistema imunológico para que este não rejeite o órgão.

A terapia imunossupressora utilizada nos transplantes de órgãos apresentou importantes avanços nas duas últimas décadas. Ao protocolo clássico com prednisona e azatioprina acrescentou-se a ciclosporina no início dos anos 80 e posteriormente diversas drogas hoje incorporadas a prática clínica: o tacrolimus, os micofenolatos (mofetil e sódico), e as rapamicinas (sirolimus e everolimus). Agentes biológicos também foram aprimorados usando a tecnologia de produção de anticorpos monoclonais e os anticorpos anti-receptor da interleucina. Assim, os imunossupressores podem ser combinados de forma racional permitindo o uso de agentes que atuam em diferentes etapas da cascata de ativação imunológica que resulta nas reações de rejeição.

Este arsenal de drogas e agentes biológicos também proporciona a possibilidade de terapias imunossupressoras mais adaptadas às características dos pacientes ou as necessidades individuais.
Por fim, listados abaixo estão alguns medicamentos imunossupressores e também alguns de seus principais efeitos colaterais:

• AZATIOPRINA – anemia hemolítica auto-imune; artrite reumatóide grave, etc. Reações mais comuns:náusea, vômito, diminuição de leucócitos, etc.

• BASILIXIMABE – transplante renal. Reações mais comuns: náusea, dor abdominal, aumento de potássio, glicose, ácido úrico e colesterol no sangue, dor de cabeça, tremor, febre, aumento da pressão arterial, infecções no trato urinário e respiratório, etc.

• BETAMETASONA – artrite reumatóide; asma brônquica; enfisema pulmonar; lúpus eritematoso, etc. Reações mais comuns: inchaço, pressão alta ou baixa, mancha de sangue na pele, aumento de glicose no sangue, dor nas juntas, catarata, etc.

• CICLOFOSFAMIDA – antineoplásico; leucemias específicas, esclerose múltipla, etc. Reações mais comuns: náusea, vômito, inflamação da bexiga, perda de cabelos reversível.

• CICLOSPORINA – prevenção ou tratamento da rejeição em transplantes; psoríase grave, etc. Reações mais comuns: aumento da gengiva, pressão alta, toxicidade nos rins, tremor, náusea, vômito, etc.

• CITARABINA – antineoplásico; leucemias específicas; linfoma não Hodgking. Reações mais comuns: febre, náusea, ulceração anal, etc.

• DACLIZUMABE – profilaxia de rejeição de transplante renal. Reações mais comuns: dor no peito, febre, aumento da pressão, fraqueza, etc.

• DEFLAZACORT – artrite gotosa crônica; asma brônquica; bursite, etc.
Reações mais comuns: inchaço, mancha de sangue na pele, diabetes, inflamação do pâncreas, fraqueza muscular, catarata, suores, etc.

• MERCAPTOPURINA – leucemias específicas e linfoma não Hodgkin. Reações mais comuns: anemia e cor amarelada na pele e olhos.

• PALIVIZUMABE – infecção pelo vírus sincicial respiratório (profilaxia). Reações mais comuns: febre, rinite, otite média, infecção respiratória.

• SIROLIMO – prevenção de rejeição de transplante renal. Reações mais comuns: ansiedade, depressão, dor abdominal, diarréia, anemia, aumento do colesterol, dor nas juntas, infecção respiratória, etc.

• TACROLIMO (injetável) – transplante de rim e fígado (prevenção ou tratamento de rejeição). Reações mais comuns: inchaço, falta de apetite, função renal anormal, aumento de glicose no sangue, sensibilidade A luz, dificuldade par respirar, febre, tremor, etc.

• METOTREXATO – antineoplásico; artrite reumatóide grave; psoríase grave; etc. Reações mais comuns: diarréia, vômito, inflamação na boca, anemia, urticária, etc.



quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Como descobri a leucemia.

No ano de 2007, eu tinha um trabalhador por nome Jaime que chegou chorando um determinado dia. Perguntei: "porque está chorando ?"  e ele respondeu: "Minha irmã vai morrer" e aí num desabafo ele contou a história de que sua irmã tinha leucemia e os efeitos eram os seguintes; Não conseguia parar em pé, devido a fraqueza nas pernas e uma dor muito forte no corpo o que fazia com que ele fosse obrigada a tomar injeções contra as dores, que custavam na época 35 reais e seu efeito durava no máximo 1 hora, e depois voltavam as dores. Nesta época já trabalhando e estudando a copaíba a 5 anos e vendo os efeitos benéfico  em males diversos sem efeitos colaterais, resolvemos experimentar. Chamei Jaime num canto, dei um óleo para ele levar para sua irmã enferma e disse: "Ela tem que tomar, se ela tomar melhora, só depende de você agora". Depois ele me contou que ela não queria, mais ele forçou ela tomar, e depois ela confessou; tomava só uma gota/dia. Alexandra, irmã do Jaime, como fazia em períodos determinados porque a sua medula óssea não funcionava mais, tinha que trocar o sangue, foi fazer este procedimento médico na cidade mais próxima. Agora vou contar o que ela contou; Quando lá chegando para trocar o sangue, parece que tiram uma amostra do paciente para analisar,    Alexandra diz que passado um tempo mandaram chamar ela numa sala; um monte de médicos reunidos, começaram a lhe fazer perguntas do tipo; O que você comeu ?  Você comeu verduras, frutas, etc ?  Em meio aquele tanto de perguntas, ela disse que comeu carne, verduras, mas pra nós ela disse que não comeu nada, falou por falar. No meio de tantas perguntas médicas, Alexandra queria saber se já iam fazer a transfusão do sangue planejado. Qual não é a sua surpresa quando os médicos lhe dizem que não precisa mais trocar o sangue, pois o seu sangue estava ótimo. Que fique bem entendido o que Alexandra nos contou depois; Ela tomava somente uma gota de copaíba por dia, o que foi suficiente para que ela, três meses depois de começar a tomar o óleo puro, estava pulando carnaval e bebendo cerveja. Esses dias, encontrei o Jaime depois de 7 anos e perguntei como estava sua irmã, me disse que estava ótima, nunca mais teve nada. Eu acredito que ela tenha curado da leucemia com  três frascos de copaíba puro. Em relação as dores que sentia no começo, me disse ela depois que na primeira gota, 10 minutos depois, acabou a dor e nunca mais. Conclusão a que cheguei com mais esta experiência; Ninguém sabe porque a medula óssea parou de funcionar e como o óleo de copaíba puro conseguiu fazer esta medula óssea voltar a fabricar sangue novo. Portanto, toda esta parafernalha de assuntos, reportagens, referentes a transplantes de medula óssea como cura para leucêmicos, é tempo e dinheiro jogados fora. Temos na natureza a cura rápida, barata e o mais importante, sem sofrimento. Que fique bem claro que com um sistema de defesa fortalecido o nosso próprio corpo se defende de todas as moléstias. Só os óleos de copaíba (Reticulata dunke) e andiroba (Carapa guianensis) conseguem estes prodígios.   

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Regeneração de tecidos celulares através dos óleos de copaíba e andiroba.


Numa de minhas viagens à cidade de Jacundá, no sudoeste do Pará, fiz amizade com um fazendeiro por nome Osvaldo que também era um exímio raizeiro. Ele me iniciou no conhecimento dos óleos que curam. Ficamos nessa viagem 4 meses e neste período aconteceram duas coisas das quais me fizeram apaixonar pelos óleos milagrosos da Amazônia, vou lhes contar um caso de cada vez;
No primeiro foi o caso da sogra de Osvaldo, que ele me contou como salvou.  Na época, em Belém, os médicos abriram para operar um câncer no fígado, mas no que abriram notaram que o câncer já tinha tomado conta do órgão e não tinham mais nada a fazer. O Osvaldo, numa última cartada, durante 3 dias seguidos deu uma colher pequena de copaíba e outra de andiroba juntas misturadas no café. Dois meses depois, exames feitos e o fígado estava perfeito. A pergunta que se faz é: Foi um milagre ? Pois nesse caso em questão, o fígado canceroso foi regenerado. Isto quer dizer então que o que a medicina moderna chama de células tronco e trata como uma tecnologia medica altamente revolucionária, estes óleos fantásticos já fazem.
No segundo caso, presenciei toda a história. Em um trabalho na mata caiu uma tora de madeira na perna do operador de moto serra e correram com ele para Jacundá, no caso, a cidade mais próxima. Os médicos analisaram o paciente e deram o veredito: "Vai ter que amputar", não aceitaram aquilo e levaram o acidentado para Marabá, no caso, a maior cidade da região, e lá vem os médicos com a mesma análise anterior, teria de amputar. Levaram então a vítima até Belém, tenta-se assim ir para um centro com mais condições médicas, mas não adianta, pois dizem a mesma coisa, vai ter que amputar. Outra vez, já no desespero, um copo de café na madrugada, com uma colher pequena de copaíba e outra de andiroba, 3 vezes, em intervalos de 8 horas e dentro de uma semana, o acidentado teve alta e os médicos não entenderam nada e disseram que nunca tinham visto aquilo na vida deles.
Obs: Estes óleos, quando puros, são para tomar em gota ou gotas/dia, portanto, esta dosagem de colher, foi um caso extremo de necessidade momentânea. Vamos raciocinar então; Por que os três médicos, nas três cidades diferentes, disseram que teriam que amputar a perna do acidentado ?  Simples !  Pela sua experiência medica, uma infecção daquele porte onde a perna já estava ficando preta, só amputando para não matar o paciente com uma infecção generalizada. Então, como explicar ou provar que o copaíba e andiroba tinham feito isso ? Como estes óleos conseguiram reverter uma infecção que já tinha sido dada por perdida para os antibióticos existentes à disposição ? Isto me mostrou que ali se tinha um antibiótico natural (não faz mal a saúde,sem contra-indicação), que era muito mais poderoso que os produtos sintéticos existentes.
Quando Osvaldo me contou a história de sua sogra em relação ao câncer de fígado, fiquei meio em dúvida. A história da perna acidentada, que acabei de contar, eu vi. Mas a da sogra de Osvaldo, esta eu não vi, só escutei, e lógico, fiquei na dúvida. A minha dúvida acabou quando muito tempo depois, aconteceu um caso semelhante com um doente de câncer no pulmão, este doente como é de praxe, estava fazendo quimioterapia para diminuir o tumor e poder fazer a operação (extirpar o tumor). Quando os médicos abrem o indivíduo para operar dão de cara com um pulmão todo comido pelo câncer, isto é, só a casca. Como de costume, fecha a operação e manda pra casa para morrer. É nessas horas que entra o óleo de copaíba puro ou junto com o óleo de andiroba, o canceroso neste caso já desenganado, não tem mais nada a perder, e aí toma estes óleos que têm que serem puros, senão não fazem efeitos. Quando passa um mês, os médicos que desenganaram o canceroso ligam para a casa do "dito cujo" para ter a notícia do falecimento do mesmo.  Qual não é a surpresa quando quem atende o telefone é o doente, pergunta o médico: "Ó, é você Fulano?", pensando com ele: "Ora, mas esse cara já era pra estar morto" e aí o médico pergunta: "Não está sentido dor ?". Porque em um caso normal era para o doente estar com dores, mas o doente responde que não está sentindo dor. Os médicos pedem para ele ir até São Paulo, no caso, o local do tratamento. Quando lá chegou, e vendo que o doente estava bem, queriam abri-lo para ver o que estava acontecendo e o doente respondeu: "Mas vocês estão loucos ? Pois eu estou me sentindo muito bem."  Conclusão; Dois meses depois outra vez, em São Paulo, foram feitos novos exames e qual a surpresa ? O pulmão estava regenerado. Aí então o médico diz que foi milagre. Esta história então bateu com a que Osvaldo tinha me dito, num caso o câncer do fígado, e noutro caso o câncer no pulmão. Nos dois casos temos regeneração de órgãos. Como isto acontece eu não sei, os cientistas da medicina também não sabem, ninguém sabe, mas que acontece.. Nós temos a certeza ! Por isto, como engenheiro florestal estudioso e conhecedor das plantas, comecei a me interessar pelo estudo dos fitoterápicos da Amazônia.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Andiroba é a oferta que Amazônia faz ao mundo do futuro


O óleo de andiroba possui excelentes propriedades. Mas muitas pessoas não sabem disso e acabam deixando de usufruir os inúmeros benefícios. O óleo é também muito conhecido como bálsamo de andiroba, e é extraído da semente da andiroba. A andiroba é a oferta que a amazônia faz ao mundo do futuro, segredo que a cultura cabocla guardou, por milênios, para a cura e o embelezamento da humanidade. Esta árvore amazônica é típica das várzeas e ilhas. As suas flores produzem uma agradável fragrância, perfumando as alturas e atraindo os pássaros que passeiam pelo céu da amazônia.O óleo extraído dessa semente possui propriedades regeneradoras, amaciando e estimulando a pele e aliviando as dores causadas por inflamações. O óleo também é utilizado no relaxamento muscular, na fadiga, como anti-séptico, emoliente e hidratante.

Por causa dessas propriedades, o óleo de andiroba deixa a pele macia e acetinada e previne contra a temerosa celulite .Atua, na pele, regenerando e estimulando o tecido epitelial.O método tradicional para produção do óleo de Andiroba é colher as sementes, que após ter caído das árvores flutuam no rio,que em seguida são fervidas e depois de duas semanas o óleo é extraído com uma simples prensa . Alivia e acalma a dor de tecidos inflamados e tem um excelente efeito sobre inchações e traumas.  Pode-se ser feitos cremes emolientes e hidratantes deste óleo e sabonete para moléstias da pele.Toxicidade/Contra-indicações: Não há referências nas literaturas consultadas. No caso por exemplo da herpes a medicina popular emprega 50% Óleo de Andiroba com 50% de Óleo de Copaíba no tratamento , deixando o líquido em contato com a ferida durante trinta minutos e aplicando duas vezes ao dia. Cosméticos: Utiliza-se o óleo em shampoos, condicionadores, cremes, loções e géis: 2 a 5%. Sabe-se ainda que o óleo da andiroba é utilizado como protetor solar .Doenças de articulações nos dias de hoje tem uma incidência acima do normal tendo crescido a cada ano.A liberdade do corpo muitas vezes é tolhida levando a pessoa a ficar sempre limitada e com dores. O óleo de Andiroba, esquecido e substituido pelos medicamentos quimicos tem poder altamente regenerador nas doenças da articulação que combatem  proporcionando uma vida normal e de liberdade.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Benefícios e vantagens da castanha-do-pará.



Fortaleça seu organismo por R$ 0,30/dia – LEIA;
Alguns elementos da castanha-do-pará:
Selênio: 200 a 400 micrograma /1 castanha – Corpo precisa no mínimo 55 microgramas/dia
Micronutriente importantíssimo para o organismo
Ômega 3 e 6 – 70% da castanha são ácidos graxos
Vitamina B,E, Cálcio, Fósforo e Magnésio
Vantagens de se consumir castanha-do-pará:
A castanha-do-pará é indicada para várias doenças, rica em proteínas, gorduras, fósforo, e utilizada para os rins, fígado, pulmão, cura anemia e fortalece o cérebro./
A castanha-do-pará é indispensável aos desnutridos, os desmineralizados, os anêmicos, e tuberculosos que encontrarão nesta castanha “com casca” um alimento preciosíssimo.
Em virtude de seu valor proteico é tida como carne vegetal. 
A castanha-do-pará afasta doenças do coração, previne cânceres, retarda o envelhecimento e regula o metabolismo
Possui portanto nutrientes como: ácidos graxos (ômega 3 e 6), vitaminas B e E, proteínas, fibras, cálcio, fósforo e magnésio. Como qualquer oleaginosa esta nós é rica em gorduras. Cerca de 70% da sua composição é de ácidos graxos insaturados (ômega 3 e 6) as chamadas gorduras do bem.
Mais a grande estrela é o selênio, um mineral altamente antioxidante que garante longevidade.
O selênio combate, por exemplo, o envelhecimento das células causados principalmente pelos radicais livres, e previne o aparecimento de tumores e doenças neurodegenerativas como: Alzheimer, e esclerose múltipla.
A tireoide funciona a pleno vapor na presença do mineral, se não fosse ele os famosos hormônios fabricados pela glândula não existiriam. A falta de selênio pode estar associada a um maior risco de câncer, doenças cardiovasculares, alteração das funções imunológicas, infertilidade masculina, inflamações e infecções virais.
A castanha-do-pará em casca (sem casca perde-se 75% do selênio) é uma fonte simples, efetiva e barata para aumentar o nível deste micronutriente fantástico no organismo.
Alimento que funciona – segunda a Anvisa a castanha-do-pará está na lista dos alimentos funcionais, isto porque, além de nutrir ela promove benefícios para a saúde. O consumo de uma castanha por dia ajuda a combater doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, câncer e obesidade.
O ômega 3 diminui o triglicerídeo, controla a hipertensão, já que, favorece o relaxamento dos vasos sanguíneos, além se ser um anti-inflamatório natural.
As vitaminas do complexo B e o magnésio são essenciais para o sistema nervoso, contribui para diminuir a ansiedade, melhorar o humor e ainda afastam a depressão.
CASTANHA EM CASCA – preservam de 70 a 80% do selênio contido e apresentam teores de minerais, ácidos graxos e aminoácidos preservados em relação as descascadas. Isso implica em que o inadequado manejo das castanhas leva a consideráveis perdas na suas características de composição, principalmente selênio, ácidos graxos (ômega 3 e 6) e aminoácidos.

A cura sem sofrimento

Quando uma pessoa adquiriu uma doença degenerativa,  câncer por exemplo, isto quer dizer que o sistema de defesa de seu corpo não estava funcionando. Mas não estava funcionando por que ? Ah, isto cientista nenhum consegue responder. Se um paciente com câncer vai fazer o tratamento contra a doença, os médicos têm na quimioterapia e na radioterapia, dois sistemas de tratamento que vão degenerar os tecidos e o sistema imunológico do paciente. Ora, mas se a doença atacou por deficiência do sistema imunológico e temos um tratamento que vai derrubar ainda mais o sistema de defesa, como fazer então se foi a falha no sistema imunológico que deu origem a doença ? Quer dizer então, que o tratamento dispensado no caso, quimioterapia e radioterapia, vai contra a necessidade real do doente. Teríamos que ter um tratamento para os cânceres que fortalecesse a capacidade do sistema de defesa do organismo. Sabemos por depoimentos de pessoas que passaram pela quimioterapia e radioterapia, do sofrimento atroz desta técnica médica que é falha em 80% dos casos, causando muito sofrimento ao paciente. Só de sabermos que as pessoas podem curar de uma doença que se diz incurável sem sofrimento, é de uma responsabilidade moral e cristã muito grande, por isso, tentamos passar as poucas coisas que sabemos para aqueles sofredores com as mais diversas moléstias. Temos que pensar também que pela lei da causa e efeito, muitos sofredores devem ao planeta.
                                               
                                   

Benefícios do óleo de andiroba para a pele




Além de produto estético ele também é usado para massagens de pessoas com doenças reumáticas.

Óleo de copaíba é a nova aposta da medicina fitoterápica



O uso pode ser oral, 2 a 3 gotas por dia, sem a necessidade de enfiar o dedo na garganta. 

O óleo do milagre

Quando comecei a me interessar pelo assunto -óleos medicinais- foi quando eu trouxe um pouco de copaíba puro para uso próprio, pois tinha quatro problemas de saúde que me incomodavam bastante. Sinusite (inflamações nas mucosas nasais), Nefrite, pedras nos rins, vitiligo (manchas brancas na pele) e cistite (infecção de urina). Só comecei a tomar o óleo de copaíba puro depois de já estar desesperado, pois os remédios dos médicos não adiantavam mais, via que estava deteriorando a saúde, sentindo muita dor e falta de ar, decorrido da sinusite. Certo dia fui em Coqueiral, uma cidade próxima onde um farmacêutico antigo tinha uma fórmula secreta onde ele fazia uma mistura de elementos que solucionaria meu problema de nefrite (inflamação dos rins), mas daí que voltei decepcionado, pois o senhor da fórmula secreta havia falecido. Pensei; Estou perdido, só Deus para me ajudar !  Foi quando viajei para o estado do Pará e trouxe o óleo para o uso. 
Comecei a tomá-lo e passado aproximadamente uma semana, já não sentia mais dores e tinha melhorado quase que milagrosamente, foi quando pensei; "Será que eu não poderia passá-lo para frente ?" Parti então para prestar atenção às pessoas mais próximas que estavam doentes e comecei a doar o restante, pois tinha muito óleo só para o meu uso. Tive uma surpresa muito grande quando as pessoas começaram a melhorar e começaram a me contactar, pensei; "Bom, vamos trazer um produto para passar para as pessoas".
As vezes as pessoas me perguntam: "Qual o farmacêutico e laboratório responsáveis ? Eu as respondo: "A natureza é o laboratório e Deus é o farmacêutico responsável'"
Quantas pessoas não estão em uma situação sem 'eira nem beira' de já ter tomado todo o tipo de remédios, feito exames e 'haja dinheiro', mas solução que é bom.... 'Neca de pitibiriba'. Tomei uma decisão; Vou passar o conhecimento adquirido em cima de informações conquistadas através de 10 anos com experiências diárias de pessoas com os mais variáveis males físicos. Sabemos que, a providência divina, na sua misericórdia infinita nos concedeu remédios naturais para todos os males possíveis. Temos na natureza a cura sem sofrimento.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Terapia pelas plantas

Fitoterapia (terapia pelas plantas) é uma ciência que usa o recurso de prevenção e tratamento de doenças por meio de plantas medicinais; A forma mais antiga e fundamental de medicina da terra.O interesse da população pelos fitoterápicos como elementos preventivo e de cura vem crescendo significativamente, aliado as novas descobertas na flora medicinal brasileira, que se apresenta como umas das mais ricas e diversas do planeta. Um medicamento fitoterápico é aquele de onde utiliza-se exclusivamente derivados de droga vegetal tais como: suco, cera, exsudato, óleo, extrato, tintura, entre outros. Foi aprovado a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, a qual se constitui em parte fundamental das políticas públicas de saúde, meio ambiente, desenvolvimento econômico e social. As ações decorrentes são imprescindíveis para a melhoria do acesso da população aos medicamentos, à inclusão social e regional, ao desenvolvimento industrial e tecnológico, à promoção da segurança alimentar e nutricional, além do uso sustentável da biodiversidade brasileira e da valorização e preservação do conhecimento tradicional associado das comunidades tradicionais e indígenas.Nesse sentido, o governo federal instituiu o Grupo de Trabalho Interministerial para elaboração do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos que em conformidade com as diretrizes e linhas prioritárias da Política Nacional estabelece ações pelos diversos parceiros em torno de objetivos comuns voltados à garantia do acesso seguro e uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos em nosso País.
 Incentiva o desenvolvimento de tecnologias e inovações, assim como ao fortalecimento das cadeias e dos arranjos produtivos, ao uso sustentável da biodiversidade brasileira  e ao desenvolvimento do Complexo Produtivo da Saúde. O diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Barbano, defende um avanço na produção de fitoterápicos. “Nós temos uma das maiores biodiversidades do planeta e ainda somos um país com baixa participação no mercado de fitoterápicos”, explica Barbano.

A medicina de 100 anos atrás



Se a gente voltar cem anos atrás e pensar como funcionava a medicina, veríamos que o médico consultava e receitava. O que o medico receitava ? As plantas da flora nativa (folhas, raízes, flores, tubérculos, etc).O paciente chegava com a receita à farmácia e o farmacêutico fazia a manipulação para preparar o remédio. A farmácia desta época era repleta de frascos, em cada frasco continha um tipo de elemento florístico onde o farmacêutico era capacitado para  fazer os remédios. O mais importante é que a medicina antiga, de aproximadamente cem anos atrás trabalhava com a cura, enquanto que a medicina moderna trabalha para controlar a doença. Esta deformação veio da industrialização dos laboratórios farmacêuticos. Nada mais natural e justo do que uma empresa lucrar e trabalhar sempre para ser mais eficiente e distribuir dividendos para seus acionistas. Agora, toda a injustiça disso, é visar lucro em cima do sofrimento humano (saúde,dor). A vida humana não poderia estar sujeita à isto.